domingo, 31 de julho de 2016

Bandidu Fugitivo: Procura-se VIVO!


Anta Nhu Doka???

Homi kuma i passa férias. Kuma i bai pa tris semanas, gossi i na faci dja mais di um miss. I fala ba tambi kuma i ka kurri. Munturus Cobardu...Kuma el i homi. Bim, si bu fiança.  

Na Guiné homis kuta vivi li...Djintis ku pensa é na protegiu, kilas gossi sé cabeça ku foronta elis, ó bu ka sibi sobri novos desenvolvimentus. 
Nhu JOMAV sobra dja son ku rinka udju, pabia i kontadu dja ké del ku si Governo doenti... kkkk..Li Ki Li! 


JOMAV, Li Ki Li


O Presidente da República dizia que o pais não estava preparado para a ERA de petróleo e exploração dos recursos mineiros. Este foi um dos motivos para sustentar o seu capricho pela exoneração do Governo de Simões Pereira. Só que, no regresso do seu pau-de-mandado, Sr. Djá, este confirmou a visita à Guiné-Bissau do Ministro do Petróleo e das Minas da Guiné Equatorial no final de agosto, o que demostra que estes Estes Srs. estão a preparar para assaltar os nossos recursos naturais. Nem sabem fingir!
Agora, para estes bandidos, o país está preparado para explorar o Petróleo. Ironicamente, em menos de dois anos, já formamos técnicos especialistas em Petróleo e outros Recursos minerais.  
Pena deste povo! JOMAV dizia que o pais não estava preparado, porque não tinha controlo do Governo e agora que tem, o país está muito bem preparado.
Se calhar ele tem técnicos escondidos em Caliquesse, sua terra natal, onde tirou dezenas de jovens para, em nome do estado da Guiné-Bissau, irem formar-se na agricultura para sustentar o seu coxo projecto Mon Na Lama que, segundo um dos seus familiares, é um projecto privado, que JOMAV está a sustentar com bens do Estado.    
Jurru, é homi desancara. Mintidas de JOMAV kata bai lundju.
Ma Li ki Li.  




sexta-feira, 29 de julho de 2016

OFICIAL: MINISTÉRIO PÚBLICO PRESTES A CONCLUIR O PROCESSO DE ACUSAÇÃO CONTRA DOKA

DESTA VEZ O QUEIXOSO, É O EX-PRIMEIRO-MINISTRO DA GUINÉ-BISSAU. MOTIVOS, CALÚNIAS, INSULTOS E DIFAMAÇÃO NO SEU BLOG. ENTRE OUTROS, O EX-PM DISSE NO MINISTÉRIO PÚBLICO, ATRAVÉS DO SEU ADVOGADO, QUE, DOKA, TEM ATINGIDO A SUA HONRA E DA FAMÍLIA.

OBS: NÃO SE SABE COMO SERÁ ESTE PROCESSO. O BANDIDO ENTRA PARA A PRISÃO DENTRO DE DIAS E QUANDO SAIR, TEM MAIS UM PROCESSO.
OBRIGADO A DEUS POR NOS TIRARES UM DELINQUENTE DA CONVIVÊNCIA. DEUS OBRIGADO, ÉS TODO PODEROSO.

JOMAV a tua luta é inglória. Não consegues destruir o PAIGC

A campanha de destruição do PAIGC que JOMAV empreendeu, vai fracassar. A mobilização no partido libertador será total, e o último a perder será o ditador.
Criou novos amigos de circunstância para matar os anteriores, mas hum!!! Té pa utrus na murri, utrus cana fica. Nô bai som.

PRESIDENTE JOMAV NUNCA TEVE RAZÃO

Durante a campanha eleitoral de 2014, JOMAV afirmou com firmeza que não lhe passava pela cabeça derrubar o Governo do seu próprio partido, voltando reafirmar o mesmo numa sessão parlamentar. Poucos meses depois, derrubou o Governo. Hoje, o Presidente JOMAV tem falado de maiorias e da unanimidade no parlamento. Contudo, há um ano atrás, com a aprovação do programa do Governo e de quatro moções de confiança ao Executivo, dizia lamentavelmente que “ unanimidade mata a democracia”! 

Presidente JOMAV, aquando da tomada de posse do primeiro Governo do PAIGC, afirmou que não tinha qualquer responsabilidade na formação do executivo. Contudo, passando meses depois, começou a proferir acusações contra vários membros do Governo, maioria dos quais sem nenhum processo-crime.

Como se não bastassem, na formação do segundo Governo do PAIGC, recusou categoricamente a nomeação de dois membros do Executivo propostos pelo então Primeiro-Ministro. Traidor Botchte Candé para o cargo do Ministro da Administração Interna e Daniel Gomes para o cargo do Ministro dos Recursos Naturais. Facto que deixou o Gabinete de Carlos Correia órfão de duas cadeiras que se revestem de capital relevo na sua orgânica governamental.

Presidente JOMAV tem demonstrado a impossibilidade da realização das eleições antecipadas, apontando como argumento um prejuízo de 10.000.000,00 de dólares, olvidando-se que as sucessivas quedas do Governo por ele protagonizadas têm afastado compulsivamente USD 1,5 mil milhões prometidos pela comunidade internacional na Mesa Redonda de Bruxelas.

Presidente JOMAV deu 48 horas ao PAIGC para apresentar uma proposta da solução governativa; e ao PRS sem nenhum prazo estabelecido – Parcialidade. Assim tem sido o mandato de José Mário Vaz: de contradições em contradições, incoerência, parcialidade e o radicalismo.

A 12 de Agosto de 2015 foi marcada por um acontecimento fatal, resultante de uma decisão e posição radical do Primeiro Magistrado da Nação, resusando categoricamente os conselhos da Assembleia, dos partidos políticos, dos Régulos, da Sociedade Civil e da Comunidade Internacional, provocando roturas no seio do PAIGC, bem como divórcio entre o PAIGC e o PRS.

Consequência: em apenas dois anos do seu mandato, e num sistema semi-presidencialista, o país já conheceu 4 Governos. Hoje, a crise política tem ganhado contornos preocupantes por culpa de um Presidente radical, parcial, incoerente, revanchista e com argumentos contraditórios! 

Entretanto, como diz um jovem de Bairro de Pefine: “Sibu Panta PAIGC toki i coco, abo propi kuta bim riba mas bu kumé ki coco”.

Veterano Djon-kata murri
'Patriota'

JOMAV tu queres que acreditemos em ti? Noticia i noticia bó. Tu não és sério

FONTE: ANG-Rádio Jovem
Presidente da República nega envolvimento da sua família no abate de árvores
Bissau,28 Jul 16(ANG) - O chefe de Estado guineense, José Mário Vaz nega que membro de sua familia esteja envolvido no abate de árvores e exportação de toros na Guiné-Bissau.
“O sector de madeira nunca foi o negócio da minha família. Não conheço esse negócio. O meu filho não está metido nele e fiquei triste pelas acusações de que fui alvo”.
Segundo José Mário Vaz, um dos principais problemas dos guineenses é a inveja.
“A árvore já está no chão e qual é o problema? Já não se pode reergue-la”, disse José Mário Vaz em tom de voz exaltado.
A 07 deste mês, o líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, apontou o Presidente da República como um dos responsáveis pelo resgate à banca privada da Guiné-Bissau, realizado em 2015, no valor de 52 milhões de euros.
José Mário Vaz admite ter solicitado ao banco BAO um empréstimo financeiro para compra da Casa-Escada e que na operação de resgate à banca, a sua dívida foi a única que foi comprada pelo então governo de Carlos Correia.
Numa intervenção feita quarta-feira no Palácio da Republica, à margem de um encontro com a Associação dos Madeireiros, José Mário Vaz aproveitou para responder a algumas acusações de que foi alvo ultimamente.
O chefe de Estado disse que a crise persiste porque há interesses “muito fortes” em jogos e garante que desta vez vai ser resolvida de uma vez por todas.
“Não estou aqui por causa do voto de apenas uma pessoa, mas de votos de filhos da Guiné. O país não pode continuar desse jeito. Quem tiver os seus problemas pessoais que vá lá resolver e deixe andar o país."

Hélder Vaz, ninguém quer silenciar-te

Limos na pagina facebook de Hélder Vaz que ele está a receber mensagens para ficar calado. E ele concluiu logo que querem silenciá-lo, por cima numa democracia que ele conquistou e de que muitos gozam liberdade de expressão. pronto, pode não ser taxativamente o que ele disse, mas no global, foi esta a mensagem que ele quis passar.
É falso. Hélder Vaz, foi um político que nos anos 90, despertou na juventude guineense, o interesse pela política. As suas abordagens, a qualidade dessas abordagens, faziam dele ídolo de muita gente.
Com o passar do tempo, o homem matou-se. Começou com a disfarçada participação na guerra de 7 de Junho, seguiu para ambiciosa liderança da RGB e depois oscilações atrás de invejas. Hélder, quim ku misti escrivi, sibi manga di kussas. Melhor é ficarmos calados.
Tu Achas que o patrocínio que o teu agora amigo está a fazer para destruir a vida fdas pessoas é melhor? Tu que disseste que JOMAV não tem moral para ser presidente, depois viras. Djubi ca bu gozanu. Dissa és combersa.
Estar a mostrar aos guineenses que JOMAV está bem, é traição da tua parte. Se o DSP esteve mal na governação, o JOMAV está pior na Presidência.
E já agora, tu não vens ao Congresso da RGB. Há aí um mandjaquinho de nome Fernando Mendes que quer assumir a liderança. Conheces o homem?

quinta-feira, 28 de julho de 2016

RECORDAR É VIVER: PENA É QUE NA ALTURA TODOS NÓS, ÉRAMOS DA OPINIÃO CONTRÁRIA, MAS AFINAL, DISSESTE A VERDADE. DEUS TE PERDOARÁ UM POUCO DO TEU PECADO NESTE ASPECTO. MAS DOKA, TU ESCREVESTE ISTO SOBRE JOMAV?

TEORIA VS PRAXE

 

O discurso do dia 23 de Junho, ontem, do novo Presidente da República da Guiné-Bissau, Dr. José Mário Vaz, faz recordar a velha máxima que diz: “Faz o que te digo, mas não olhes para o que eu faço”. 

O impacto foi retumbante. Foi uma colisão entre o perfil político do personagem que encarna o lugar de Presidente e o discurso por ele proferido. A oratória soava como uma “canção de embalar”. 

O senhor Domingos Simões Pereira, o atual Primeiro-ministro, até ficou entorpecido, enquanto a sua esposa o abanava. O Presidente José Mário Vaz parecia um “estranho” vestido de sacerdote pregando no altar. Exprimia o que queria que o povo e o mundo escutassem. 

Confessou em meios restritos que apenas trabalharia com os militantes do PAIGC, mas no dia do seu juramento disse:  “(…) Assim, com este capital de confiança e de legitimidade, queremos exortar a Nação Guineense que assuma que é chegado o momento de secundarizarmos as diferenças políticas que caracterizaram a competição pelo voto e dedicarmo-nos à luta contra a pobreza, com todas as nossas energias. 

E reafirmou dizendo: “(…) serei o Presidente de todos os guineenses e que tudo farei para que os diferentes Órgãos de Soberania respeitem e façam respeitar o Estado de Direito Democrático e de Justiça Social, baseado no pluralismo político e de expressão, no respeito e garantia dos direitos e liberdades fundamentais de todos os cidadãos, independentemente de qualquer circunstância que os diferencie, assegurando igualdade de oportunidades.”

O novo Presidente da República foi ministro das finanças do governo de Carlos Gomes Júnior, derrubado em 12 de Abril de 2012. È constituído arguido no processo sobre o desvio de 12 milhões de dólares. Sobre a corrupção disse: “ (…), será fundamental instituir na nossa sociedade uma verdadeira cultura de tolerância zero e de combate sem tréguas à corrupção. Pilar fundamental para a afirmação do Estado de Direito democráticoCultura que constitua uma poderosa base de partida para este combate que a todos deve mobilizar.

A “má coabitação” político-institucional tem sido um dos fatores da instabilidade política. Nino Vieira punha as mãos e os pés no “barkafon” do governo. Espiava e interferia em tudo que era da competência do governo. Será que José Mário Vaz pretende imitar essa postura em relação às ações que seriam da estrita competência do atual Primeiro-ministro? 

O filho do atual Presidente da República é portador de alvará de abate das árvores. Sobre essas questões, o Presidente esclareceu: Ainda neste quadro prometi durante a campanha, que após a minha tomada de posse iria estar atento e vigilante no que se refere ao flagelo do fenómeno da corrupção e sobretudo que chamaria ao meu gabinete todos os dossiers relacionados com o abate das árvores e exploração ilegal dos nossos recursos naturais a bem da nossa querida Guiné e das gerações vindouras.”

RECORDAR É VIVER: DOKA, DESCULPE A PUBLICAÇÃO, MAS ISTO SÓ PORQUE FOI HÁ DOIS ANOS

PRESENTE ENVENENADO

Na verdade, tem lógica a chamada de atenção do anónimo sobre as 12 viaturas doadas pelo Presidente Yahya Jammeh de Gambia a Presidência da Guiné-Bissau. Cheira a lavagem de dinheiro sujo. Ai tem gato! 

Há muito que se dizia que José Mário Vaz tem ligação com os rebeldes de Casamansa. O embrulho está  a desfazer-se. Sabe-se que Jammeh é aliado de Angola. E não tem dinheiro nem para comprar uma viatura para a sua Embaixada em Bissau. Onde desenrascou tantos meios? Do nada é que não pode ser! Por detrás de Jammeh perfilam Sonangol, GALP e o gang do “Navio Bolama” que fazia negócio de arma e de droga.

Quem não conhece Yahya Jammeh, que o compre, eu nunca! É uma figura que para já devia ter coragem de vir ao terreiro dizer aos gambianos e ao mundo quem é sua verdadeira mãe. Há uma parábola antiga nas línguas africanas que diz: “se você se recusa a aceitar quem você é, então você está a ridicularizar os valores de seus antepassados e fazer troça de si mesmo.”

Em 2013, Tarde Shyngle Nyassi encheu-se de coragem e revelou o nome da mãe biológica de Jammeh: Madame Assombi Bojang. Toda gente acreditou que isso fosse verdade, visto que não aconteceu nada de mal a Shyngle. Isso porque não há nenhum gambiano que não conheça o carater amargo do Presidente Jammeh. 

Uma pessoa sem caráter, rude com as pessoas que estão ao seu redor. Mães dos ministros, soldados, etc são insultados por Jammeh sempre e em qualquer ocasião.   Nem é preciso pesquisar muito para descobrir que Jammeh é uma pessoa irresponsável, habituado a dizer palavras com desdém, aos seus inimigos, como cães, animais, vão para o inferno, vá beijar o céu, etc, etc.   Gâmbia, infelizmente, não tem presidente, tem um bandido armado,   um forasteiro como chefe de Estado.


Exigimos ao Presidente José Mário Vaz que devolva à procedência as viaturas que recebeu!http://dokainternacionaldenunciante.blogspot.com/2014/06/presente-envenenado-na-verdade-tem.html

RECORDAR É VIVER: DOKA ESCREVEU ISTO A RESPEITO DE JOSÉ MÁRIO VAZ

FUTURO SOMBRIO…


Não houve  “kambansa”!  E a questão não se trata de escrutinar  aspetos físicos dos proponentes ao cargo ora colocados à frente dos destinos do nosso país por serem jovens ou velhos, não, não é isso que está em jogo! A preocupação maior tem a ver com a mentalidade de “Guiné mindjor” hoje dominante no PAIGC. 

A engenharia eleitoral timorense veio ajudar na implantação dessa mentalidade arcaica no nosso país. Com esta dupla no poder, retrocedemo-nos no tempo. Regressamos aos tempos do partido único, com a nuance de “inclusão”, só para o inglês ver! 

O objetivo maior do “guisado” de Ramos-Horta, não consiste, de todo, em criar condições democráticas que permitam o exercício do “contraditório”, como acontece em alguns países democráticos do mundo, mas proporcionar, isso sim, um ambiente político “abafadiço” e de terror que permita e facilite (como em Angola) a exploração e escoamentos futuros das nossas matérias-primas para a Europa e o mundo. Não esquecer que o frenesi da CPLP visa garantir o mercado a GALP e a SONANGOL.

As batotas eleitorais legitimadas pela dita “comunidade internacional” constituem a fonte da discórdia política e causa inspiradora de regimes repressivos nas nossas terras de Africa. 

Foi um roubo descarado e escandaloso que passará a considerar-se “legitimo voto do povo”! Retiraram o poder ao Nuno Gomes Nabiam e entregaram ao José Mário Vaz. Nuno G. Nabiam, na sua declaração de ontem, dia 22 de Maio, disse que houve “roubo de votos” e que os números anunciados pela CNE, na terça-feira, dia 20 de Maio, não coincidem com os que foram recolhidos e registados na Acta Síntese obtida pela sua direção de campanha. 

E depois disse “ainda assim, em nome da “paz e estabilidade” os resultados divulgados devem ser proclamados”. Portanto, o povo bebeu agua mas sem “matar a sede”! E quando isso acontece a um tigre não há poder no mundo que o possa deter. Por isso, concluiu Nabiam: “não vou estar de boca calada”.  Não é por acaso que Nuno se considera um homem limpo. Porque o seu concorrente, José Mário Vaz, não beneficia, de longe, destes predicados. 

O mesmo não passa de um corrupto fundido e malhado pelo regime de Nino Vieira. Empresário que nunca pagou imposto ao Estado da Guiné-Bissau. Arguido, com fundadas suspeitas de ter desviado  12 milhões de dólares, do tesouro público. Pai que diz desconhecer de que o filho seja empresário com alvará de exportação de madeira. Membro de um governo (de Cadogo Jr.) suspeito no assassinato de figuras políticas destacadas do nosso Estado. Que dignidade a figura de José Mário Vaz pode trazer para o cargo de Alto magistrado da nação?

Garanto-vos que não haverá “estado de graça” para os novos inquilinos…http://dokainternacionaldenunciante.blogspot.com/2014/05/futuro-sombrio-nao-houve-questao-nao-se_25.html

JOMAV disse que o maior problema da Guiné-Bissau é a inveja

Deus Obrigado! Disse que o problema da Guiné-Bissau é inveja. Foi num encontro com os madeireiros patrocinado por Braima Camará. Felizmente, o homem está prestes a auto curar-se. Já reconhece a própria doença. O invejoso e rancorrista maior, chama-se, José Mário Vaz. De tanta inveja que nutre contra os dirigentes do PAIGC, o homem quer eliminá-los um a um. Urge o PAIGC cerrar fileiras, porque, por mais que ele alicie, não conseguirá dar lugar a todos. Usem os meios que puderem; atinjam Didinho onde ele estiver e façam valer a vossa vitória.

DL - Amigo do Jurista
combatenteconhecido@gmail.com

Copi Colé: Talvez o tradutor Umaru Sissoko não passou toda a informação: Burros bô na matil. Didinho em vez di i konta bós kuma ku kussas ta fassidu i diskuda na invade privacidade di djintis.: Kuma Anísio Indami pidi pa pistal dinheru i na kumpra bilhete, logo kila i crime. Son JOMAV ku si djintis ku ta pensa assim. Óh Didinho bu pensa manera ku JOMAV mau, assim ku DSP mau

CIMEIRA DA UA: Chefes de Estado aconselharam o PR JOMAV a "entregar o poder ao partido vencedor das eleições - o PAIGC. Conhecemos e estudamos a constituição da Guiné-Bissau." Fica a dica...AAS

É, má JOMAV ta vira pecadur: Florentino, abó tambi ku djintis fiançsa ba nel: Justino na canta luz kkkkkkkkkkkkkkkkk

Florentino Mendes Pereira, 'ministro' da Energia nomeou Justino Delgado - um semi analfabeto que só conhece pautas de músicas - como 'Conselheiro principal'. DC desmonta mais um imbróglio: Justino, que nada mais sabe fazer que não abrir a boca para cantar, ESTÁ LÁ APENAS PARA RECEBER e preparar a campanha do PRS. VERGONHA, NO PAÍS DOS AFLITOS!!! AAS

Copi Colé: Jomav kuma i ka sibi nada di madera: Nim si fidju

JOMAV, o desavergonhado, e a dívida para pagar em 50 anos


"Aos madeireiros, que vendam a madeira e paguem os impostos." Pode não parecer, mas são palavras do Presidente da República, cuja empresa - JOMAV - pediu para pagar a dívida contraída (impostos e segurança social) em 50 anos...

O presidente da República que, para além de caloteiro, não tem um pingo de vergonha na cara! Vamos tratar do JOMAV não tarda nada, ah se vamos! JOMAV tem de sair, e tem de sair já! - com ou sem golpe (com golpe seria até melhor). NOTA: Existe um embargo à nossa madeira.

Um presidente da República rodeado dos mais vis ladrões da nossa praça - entre pessoal da presidência, conselheiros, irãs e outros; um presidente da República completamente só, aos papéis e sem dor do Povo que o elegeu, às costas do PAIGC, que traiu despotica e desavergonhadamente.

Um presidente que protege os traficantes de droga - que é coisa que o seu governo sabe fazer melhor; um presidente que não sabe o que se passa à sua volta, e ainda assim um presidente da República. Um presidente da República que é, praticamente, um doente mental!!!

Vá tratar-se, presidente JOMAV. Não é uma ordem, é um conselho! AAS

Copi Colé: Caça a bruxas volta a carga: Sedja Man, Nô pensa ba bu bai biáss

 O deputado GABRIEL SOW foi seguido desde que saiu de casa para levar a mulher ao emprego, no ministério da Economia (antigos Armazéns do Povo). Assim que a mulher saiu do carro e entrou nas instalações foi-lhe dada ordem de prisão. GABRIEL SOW, de acordo com fontes do DC, já foi levado para a prisão de Bafatá, no leste do País. AAS

DOKA, maior mentiroso na história da sociedade, assume ser o ídolo de Umaro Djau e Didinho,


Este Doka é um mentiroso. Fogo! Olhem a incongruência deste drogado, mas também não é de estranhar: Primeiro, disse que a viatura queimada na residência de Tó Djuf é do Estado. Segundo, disse que é da empresa Bauxite Angola.
Dizia que eram Viaturas – publicação de 24/07/16 - e agora é uma Viatura – publicação de 26/07/16. Afinal, qual é a informação correta?
Doka, pensas que assim é que se transforma em Policia, pois, jornalista não es e nem músico. Pabia musica ta cantadu nan, i cata papiado. Kal dia ku bu odja LUBU na canta????

Rapaz, falhaste em tudo e nem consegues dizer o que foste fazer em Cuba. A tua formação, afinal qual é? O outro disse que ele é psicólogo (Baciro Djá), mas ninguém consegue dizer que foi paciente dele.
Doka pretendia ser Director da PJ. Até pensava-se que era mais uma brincadeira de mau-gosto, afinal o rapaz queria mesmo, até que envolveu a pobrezinha Mamae no Lobby. Doka, mesmo que este Governo, não tenha norte, como é o caso, não teria a ousadia de nomear um delinquente a frente de uma instituição credível como a PJ. Mbém, pelo menos respeito para os agentes que todos os dias entregam as suas vidas para combater gente como você e mais outros fumadores de Iamba.
É este Doka que se torna agora no Ídolo do outrora “grande jornalista” Umaro Djau, do terrorista Dindinho e os falhados políticos medíocres desta cidade. Sinceramente, não pensávamos que podiam chegar a esta fase, Umaro e Dindinho, tendo em conta o vosso passado intelectual e de boa gente. O que deu em vocês, de se perderam o foco da necessidade maior deste povo? Venham a Bissau e andam pelas ruas (mercados, campo de futebol, lumos, etc) e falem com o povo. Pensam que o debate sobre uma nação é no Blog??? Venham a Bissau e parem de falar de uma sociedade que não vos reconhece. Onde é que estavam durante todo este tempo – conflitos armados, golpes de Estado, pancadarias, perseguições, etc.?...Haaaa nos cafés de Lisboa ou Atlanta. Façam o favor de calarem a BOCA, porque nada da Guiné sabem e nem deviam envolver-se nos debates sobre o nosso país. Pais de gente séria e honesta.
Nunca pensamos que podiam andar o mesmo caminho com um delinquente como Doka, ao ponto de partilharem a mesma visão. Um rapaz que transformou o Blog num espaço de conta-conta, tissi-ku-leba, e não de reflexão, como devia ser.
Credo! Es i ké? Si ka Sussu Cabeça, diz a dadiva da música moderna guineense Dulce Neves.


Por: ditadurafirma  

O Tribalismo Encapotado na Guiné-Bissau


Por: Térsio Vieira

A Guiné-Bissau é um ímã que atrai todas as desgraças humanas. E convive pacificamente com elas, sem oposição social. Incorpora ainda o fatalismo como sendo uma realidade intrínseca da vida. Sob o aforismo de "djitu ka tem" legitima comportamentos repugnantes e altamente corrosivos à sociedade. Por isso alberga impunemente no seu seio políticos corruptos, assassinos, golpistas, pedófilos, traficantes, urubus, ladrões, patronos de fraude e toda a espécie de criminosos.

O tribalismo é só apenas um dos inúmeros flagelos dos nossos desassossegos. É nele também que reside a chave da resolução da maioria dos problemas que nos afectam, dramaticamente, como povo. O tribalismo é um facto indesmentível na Guiné-Bissau, por mais que possam surgir objecções em sentido contrário para camufla-lo. Está profundamente enraizado nas tabancas, nas cidades e em Bissau. Da mesma sorte abrange todas as esferas da sociedade – tanto as pessoas ricas como as pobres, iletradas e cultas.

Sempre houve, desde os primórdios, tribalismo na Guiné-Bissau. Infelizmente. Embora nunca assumido publicamente pelas nossas autoridades. No entanto não ganhava proporções preocupantes no país, tal como nos dias de hoje. Circunscrevia-se apenas às camadas mais analfabetas da população. Não era assim tão manifesto na agenda geostratégica dos partidos políticos, e tão pouco nas pessoas letradas, ao ponto de minar completamente o aparelho do Estado e a coesão nacional. O responsável número um, que contribuiu decisivamente para agravar esse revés colectivo, foi o galrão Koumba Yalá e o seu medíocre partido PRS, aquando da sua vitória nas eleições legislativas e presidenciais de 1999 e 2000. A partir daí a Guiné-Bissau mudou ainda para pior, mormente a nível do preconceito rácico, fazendo com que os balantas fossem marginalizados pelas outras raças devido à demasiada primazia que Koumba Yalá lhes votava durante o seu avassalador mandato, em detrimento das demais.

Compreende-se quando um analfabeto vota num partido ou apoia um determinado político unicamente por pertencerem à mesma "raça". A generalidade dessas pessoas adoptam esta incorrecta postura por uma questão de ignorância, razão pela qual a parcela significativa da culpa é também do Estado, que não lhes proporciona a oportunidade para estudarem e, consequentemente, aculturarem-se. Caso diferente são as pessoas que estudaram, alguns até tiraram um curso superior, e mesmo assim continuaram reféns e devotos aos ideais tribalistas. Limitam a sua ideologia com base no tribalismo, independentemente das claras evidências em sentido oposto das suas fanáticas convicções.

Digo isto porque conheço razoavelmente os guineenses. O pigmeuzinho de José Mário Vaz (Jomav) está a enveredar o país para um regime absolutista, porque tem o apoio do povo. Neste momento praticamente a generalidade dos manjacos estão incondicionalmente a apoia-lo, somando aos balantas devido ao facto do batoteiro PRS fazer parte do actual governo que ele patrocinou, e ainda inúmeros muçulmanos, por estarem a defender Baciro Djá em virtude de professarem a mesma religião e concomitantemente, através dele, José Mário Vaz. O mais triste disso tudo é ver os manjacos, balantas, fulas e muçulmanos letrados a apoiarem cegamente o triunvirato – o despótico de Jomav, o incompetente de Baciro Djá e o oportunista do PRS – unicamente por afinidades tribais e religiosas. Estes ditos "letrados" não chegaram a evoluir literalmente em nada. Estudaram e continuam limitados nas suas redutoras mundividências retrogradas. Não dispõem dos valores civilizacionais e de modernidade. São uns autênticos atrasados e pobres do ponto de vista intelectual. Contentam-se meramente com as políticas minimalistas dos seus parentes no poder, mesmo sendo ruinosas como têm sido para o país.

Se o Presidente José Mário Vaz não tivesse tido o apoio dos manjacos, balantas, fulas e parte significativa dos muçulmanos há muito que teria sido alvo de um golpe de estado, tendo em conta os abismais retrocessos a que conduziu a Guiné-Bissau neste curto período de tempo do seu mandato. Isto porque os guineenses não estão habituados a conviver com a legalidade democrática. O exemplo manifesto disso extrai-se na forma desordeira e autoritária como o país está a ser governado neste momento. A começar com os constantes abusos de poder pelas autoridades, intimidações sem precedentes e flagrantes atropelos à Constituição da República. O pigmeuzinho de Jomav, sabendo a priori de tal situação, fez todos os possíveis para ter o inequívoco apoio do PRS e, deste modo, poder concretizar o seu maléfico intento, uma vez que o PRS é o único partido com grande influência nas forças armadas capaz de precipitar uma sublevação militar e conduzir ao seu derrube. Por isso, comprou o importante apoio do PRS e colocou-o ao seu lado e, de arrasto, a classe castrense.
É tudo isto a Guiné di bom bardadi, que de verdade não tem absolutamente nada. Mas que assenta,
sobretudo, no tribalismo, intrigas, calúnias, mentiras, invejas, violações, abusos, ódios, traições, vinganças, maldades e derramamento de sangue.
O império de futilidades, que nos direcciona para um precipício social irreversível. Enquanto não pararmos para fazermos uma auto-avaliação colectiva, e reconhecermos humildemente todos os nossos defeitos como nação que somos e procurarmos libertar definitivamente deles, inclusive o cancro do tribalismo que nos separa uns dos outros, jamais experimentaremos a unidade, a paz e o progresso nacional que a maioria dos guineenses tanto almeja.

ESTE É O EMAIL QUE ESTÃO A UTILIZAR PARA ATINGIR O NOSSO BLOG

Gago Da Abyara gago.consultor2@gmail.com




INFORMAÇÃO DE ÚLTIMA HORA: UM ALTO DIRIGENTE DO PRS PODE FUNDAR UM NOVO PARTIDO POLÍTICO

Nossas fontes estão a djuntar iagu. quando iagu intchir, vão dizer se é verdade ou não. O partido vive maior descontentamento que o PAIGC. Baciro Djá recusou nomeações e agravou a situação.
JOMAV téné terra suma catchu na mon di mininus. Governação gossi i fassi fabur. Ba Djoi, ba Doménico; ba Mima, ba Mário, ba Botche, etc... etc...
Kilas dja ki mindjoris. Ba Dé. rapazinho nim basquet i ka sibi djuga diritu, kuma secretário di Stado.
Burru suma JOMAV

TERRA RANKA É PROPRIEDADE DO PAIGC

SÓ UM DESCARRADO PODE DIZER O CONTRÁRIO. O PROGRAMA NÃO SERÁ AGENDADO. PONTO FINAL. TRAGAM O PROGRAMA DO PRS. ENTÃO O BAIXINHO, FLORENTINO MENDES PEREIRA NÃO ESCREVEU O PROGRAMA? TRAGAM

O Condenado: Faltam dois dias para a sentença transitar em julgado: Quem ri último, ri melhor

NÃO TE ESQUEÇA QUE A GUINÉ-BISSAU TEM O ACORDO DE EXTRADIÇÃO COM PORTUGAL. UM CONDENADO NA GUINÉ, NÃO PODE VIVER EM PORTUGAL. É SÓ PARA A TUA INFORMAÇÃO. Podes gozar e dizer coisas que quiseres, má tudo manera bu na bim li som. Tu sabes porquê é que não aventuras tanto, porque tens a tua mãe aqui. E talvez ao chegares aqui o teu patrão já... O Didinho, está a fazer o que faz, porque sabe que, o Cacaio, djintis ta burgunho el, mas pronto: chegamos ao limite. algo vai acontecer.

E SE DSP NÃO FAZ NADA, VOCÊS TAMBÉM NÃO FAZEM NADA?

Didinho, JOMAV e Baciro Djá, dispõem de uma estratégia na internet em revelar supostas conversas das pessoas com DSP. A primeira coisa, é que as conversas podem ser verdadeiras ou falsas, mas mostram quão burro é este trio.
O DSP não está a fazer nada, mas pessoas como Kaft Kosta, Tchitchi, JBV, Catió Baldé, o outro que supostamente comprou ou pagou carros no EUA, podem fazer.

Vejam só o pedido de anísio, também é crime pedir. Se subtrair 12 milhões, não é crime, pedir o pagamento de uma passagem é crime. Só na cabeça de JOMAV e seus apoiantes. Isto é, como humano ou como PM, DSP já não pode ajudar ninguém e nem conversar com Ninguém, porque é PM.
Deve fazer como JOMAV que depois de chegar ao cargo do PM descartou todos aqueles que o levaram e fez novos amigos. Amigos de circunstância que lutaram para que ele não chegasse onde está. Abdú Mané, Manelinho, era apoiante de Paulo Gomes, Hélder Vaz, apoiante de Nuno Nabiam, Abduramane Turé, apoiante de Nuno Nabiam, PRS, apoiante de Abel Incada, Doka, apoiante de Nuno Nabiam. O DSP não é assim, infelizmente. Tem carácter e tem palavra.

Por isso, aconselhamos a todos aqueles que o Didinho está atacar em nome de DSP para fazerem qualquer coisa. Esta é uma luta de sobrevivência, porque nem todos aceitam tirar algum minuto para pensar. Basta ser publicado por Didinho tomam tudo como verdade e começam logo a divulgar erradamente.
Algo tem de ser feito. Com Didinho, com a família. Qualquer coisa deve acontecer, porque ele está intencionalmente a destruir a vida de certas pessoas. O Tchitchi é um homem de negócios, um investidor pode afastar-se dele através dessas mentiras. O Kaft Kosta é um credenciado jurista, o Catió é um empresário de sucesso e demais outros. Só por causa do poder de JOMAV e o Liamba Djá, as pessoas serão alvos de invasão de privacidade.

I bom pa i sedu ba li na Bissau, és combersa sta badja resolvido.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

PAIGC NA KUMPU

Da independência a data presente, os problemas no seio dos libertadores, substancialmente, apresentam o mesmo carácter: constantes lutas interna pelo poder, orquestradas pelos kabalidus, amontons, ambiciosos… que apesar de se autodenominarem grandes políticos, intelectuais, competentes… fazem da política a profissão habitual (sim política, fugon kata sindi), ou seja, só trabalham quando ocupam cargos políticos, esta realidade tem impossibilitado as suas serenidades face a acção governativa, lutando a todo o custo para fracassar o seu próprio Partido, em jeito de salvaguardar os seus interesses pessoais. 
DSP, reformanu partido, tempacensa!

Veterano Djon Kata-Murri

Deves estar a referir ao Acórdão do STJ

"A SENTENÇA FOI FORMATADA, A MODA DAQUILO QUE SABEMOS O QUE SE PASSA NA NOSSA TERRA", Doka Manchester Gay.

Quanto a testemunhas muntrussis sim moral, tipo demba malcriado, o lugar é fora do Tribunal. Pergunte o DEMBA como é que lhe fizeram no julgamento de 7 de Junho, quando mentiu. Foi o Armindo Mota, o vosso juiz quem o perguntou: Ké bu na gosa nam ku djintis.
Tente encontrar pessoas credíveis para ajudarem-te a montar mentiras, porque demba não tem jeito. Ele é um mentiroso nato.
O Tribunal de relação não vai resolver nada. Cadeia bandido

JOMAV CA BU GOZANU BÔH... BU SAI DI PORTUGAL HÁ UMA SEMANA BU CA HOMENAGEADO

A Associação Portuguesa de Autarcas Monárquicos (APAM) homenageou hoje o Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, com uma medalha de honra, naquela que é a mais alta distinção da organização, disse o seu presidente, Manuel Beninguer.
Uma delegação da APAM encontra-se em Bissau, acompanhada de empresários que pretendem investir na Guiné-Bissau e hoje foram recebidos pelo Presidente guineense, José Mário Vaz, aproveitando o encontro para homenagear o chefe de Estado guineense.
“A Guiné-Bissau merece-nos todo o respeito. Um país fantástico, acolhedor e que nos abraçou desde que aqui chegámos, que tem abraçado não só a comunidade portuguesa, mas toda comunidade lusófona”, defendeu Manuel Beninguer.
O presidente da APAM enfatizou que a distinção ao chefe de Estado guineense é a demonstração de afeto entre os povos de Portugal e da Guiné-Bissau.
Lusa

Doka, quem goza com a vidadas pessoas: Ministério Público deve actuar

mesmo estando condenado, Doka continua a cometer actos de crime, utilizando o seu Blog para insultar tudo e todos.
Desta vez, fez denúnicias que ninguém sabia. Nos tais assassinatos, incluiu o nome de Aguinaldo Embaló. Já agora, podiam pedir explicações da forma como o homem morreu.
Peçam informação ao DOKA.

FEITIÇO CONTRA FEITICEIRO: MARCHA DOS PROFESSORES E ENFERMEIROS SEM SINDICALISTAS DE JOMAV

Há meses foi permanente as contestações dos professores. Estava sempre na frente. o Sr. Laureano, primo de JOMAV. Quando alguns pediram para desconvocar a guerra, ele jurou que aquilo jamais aconteceria.
Hoje, os professores afiliados no seu sindicato estão em greve e não é visto.ç
É bom aparecer, porque, gossi propi cu hora di marcha tchiga. Os professores, enfermeiros e demais outros estão nas ruas. É sinal de que, algo não está bem.

PAIGC pediu para que o Programa Terra Ranka não seja agendado e não será

Baciro e o PRS que busquem outro

terça-feira, 26 de julho de 2016

Como inserir publicidade no Guine Puro? Nem nós sabemos responder a questão: I kila gora déh

Num curto tempo de aparecimento, tornamos líderes em termos de visitas. São vários emails que recebemos a solicitar emissão de publicidade. A questão é esta: Kuma ku nó na toma dinheru si nó ca misti pa djintis kunsinu? ÓOh bó na fassinu nan manel manel ku dinheru! Hum si i kila, mindjor nô pirdi nam tudo bó.
Má si bó misti danu dinheru, bô conta son. Nô téné um amigo e na tomal na local combinado.
Façam propostas e sugestões no email em baixo. Didinho kuma i email di DSP. Acham que estão a lidar com burros. Buro é quem pensa que o outro é burro, sem saber quem é.

Amigo do Jurista
combatenteconhecido@gmail.com

RESPONSÁVEL DA ONU PEDE INCLUSÃO DAS MULHERES


O subsecretário-geral das Nações Unidas para Assuntos Políticos, Jeffrey Feltman, pediu hoje aos políticos da Guiné-Bissau que promovam a inclusão das mulheres nas esferas de decisão como formas de acelerar o desenvolvimento do país.

O responsável da ONU esteve hoje numa audiência com o Presidente guineense, José Mário Vaz, no âmbito de contactos com as autoridades políticas, ao longo das quais pretende ouvir uma apreciação do país e o que a comunidade internacional poderá fazer para ajudar.

Em declarações aos jornalistas, Jeffrey Feltman considerou que a Guiné-Bissau "possui todas as condições naturais" para se desenvolver, "desde que haja unidade, reconciliação e promoção das mulheres" nos partidos e lugares de decisão da vida do país.

Feltman afirmou que em todos os encontros que manteve com os responsáveis guineenses, nomeadamente o Parlamento, Governo, poder judicial, partidos políticos e sociedade civil, não se cansa de repetir a importância do consenso e da reconciliação.

Dirigindo-se aos políticos, o responsável das Nações Unidas apelou-os para que "deem prova da sua boa-fé", fazendo os passos necessários para "acabar com o bloqueio que existe no país" e renovar a esperança da população, disse.

"A população observa os políticos por ser a primeira vítima dessa situação", defendeu Jeffrey Feltman, referindo-se ao povo guineense como "patriota e pacífico".

Assinalou ainda que a ONU e a comunidade internacional "estão disponíveis" para ajudarem a Guiné-Bissau ultrapassar as crises políticas que têm afetado o país na última década mas frisou que caberá aos guineenses "darem os primeiros passos".

"É altura de o país ultrapassar estas crises, através de princípios de inclusão e do consenso para que encontre o seu desenvolvimento", disse Jeffrrey Feltman, realçando a importância do respeito pelas leis, o Estado de direito e os direitos humanos.

Também salientou a importância de o país indicar as mulheres para as esferas de decisão a nível dos partidos e nas estruturas do Estado, enaltecendo o seu papel na promoção da paz e da estabilidade.

O subsecretario-geral das Nações Unidas, que deve terminar a sua visita de três dias a Bissau esta segunda-feira, felicitou igualmente as Forcas Armadas pelo facto de se terem mantido fora "jogo político" e ainda encorajou o trabalho que tem sido feito na Guiné-Bissau no combate ao crime organizado e o trafico de drogas.

RESPOSTA DO PAIGC AO PRS E OS 15

Comunicado de Imprensa
De novo o Partido da Renovação Social (PRS), através da sua bancada Parlamentar e mais os 15 Deputados representados pelo Dr. Rui Diã de Sousa pretendem, por desespero de causa, submergir a Guiné-Bissau numa nuvem de falsidades, através de recurso a conferência de imprensa repleto de deturpações levianas e calúnias à opinião pública.
Lamentavelmente, assistimos ontem o Presidente e o 1.º Vice-Presidente da ANP a serem alvos de uma asquerosa campanha difamatória desencadeada pela bancada do Partido da Renovação Social (PRS) e o Dr. Rui Diã de Sousa, em representação dos 15 Deputados, inserto na sua saga de conquistar o poder por vias não democráticas. São acusações levianas, falsas e caluniosas proferidas contra as primeiras figuras desta Assembleia, e convém esclarecer, nem o Certório Biote, nem o Joaquim Batista Correia e muito menos o Rui Diã de Sousa têm credibilidade e moral para pronunciar tais acusações.
Com efeito, o PAIGC considerando a qualidade de altos dignatários deste país que são estas duas figuras, a par de alta responsabilidade que assumem perante o povo, vem por este expediente esclarecer e demonstrar a comunidade nacional e internacional, as mentiras e invenções trazidas ao público pelos autores supracitados.
Porém, antes de mais nada, convém deixar bem patente, de forma cristalina e inequívoca de que a Assembleia Nacional Popular é um órgão de soberania que não recebe ordens de nenhum outro órgão muito menos dos partidos políticos, á semelhança de outras instituições, dotada de estruturas e órgãos internos e regido pela Constituição e demais leis da República, em especial pelo seu Regimento. 
Com efeito, o PAIGC escutou não com surpresa, mas com espanto e preocupação, porque já se habituou a lidar com oportunistas, ignorantes e defensores de uma condenável ilegalidade como SEU modus VIVENDI. Por outras palavras, a conferência de imprensa dada conjuntamente pelo Partido da Renovação Social (PRS) e um Grupo que se autointitulou como o Grupo dos 15, embora se esquecendo que já não são e nem estão ligados ao PAIGC, porque o nosso Partido os expulsou em razão da sua conduta antidemocrática, anti estatutária e antipatriótica, foi mais uma confrangedora demonstração de ignorância política e técnica jurídica.
Para o PAIGC, esta conferencia de imprensa é um insulto proferido contra os pilares de Estado Democrático e uma claríssima demonstração de querer de um Partido que não ganhou as eleições, mas que de forma oportunista se apresta a entrar num jogo cujo pivot todos os guineenses já identificaram como pai espiritual do chamado Grupo dos 15, para tomar o poder, violando todas as regras legais numa demonstração sem inequívocos de falta de ética e de moral.
Para o PAIGC o posicionamento assumido conjunta e irresponsavelmente pelo PRS e pelo Grupo dos 15 nesta sórdida conferência de imprensa demonstra mais uma vez os perigos que o Estado de Direito Democrático onde assenta a democracia guineense está seriamente comprometida e conduzirá o país de forma irremediável e perigosa nos caminhos da instabilidade, da violação dos direitos humanos, no reforço da circulação da droga, da impunidade, da corrupção, resumindo, no surgimento de uma ditadura cruel, ignorante e corrupta que comprometerá de forma irremediável o futuro da Guiné-Bissau e dos Guineense.
Causa espanto quando o PAIGC escuta os integrantes do Grupo dos 15 arvorarem-se ainda que são militantes do nosso Partido. Não são militantes do PAIGC, foram pura e simplesmente expulsos por triste e má figura, porque para além de terem violado os Estatutos do PAIGC, a sua militância no seio do nosso Partido foi vergonhosa, corrupta, antipatriótica e perversa. 
Votar contra o Programa do seu próprio Partido, fazendo com que o seu próprio Partido perca o poder que conquistou nas urnas de forma clara e com maioria absoluta em detrimento de um Partido adversário que se aproveitou da traição de alguns para se apoderar do poder que não conquistou nas urnas, onde o poder se conquista com o apoio do povo e vir à praça pública afirmar em voz alta e sem vergonha que são militantes do PAIGC é um grave insulto para com os Combatentes da Liberdade da Pátria, para com os dirigentes, militantes e simpatizantes do nosso grande Partido, mas, sobretudo e principalmente para com o povo guineense, a principal vítima desta crise cozinhada e fabricada por quem tinha o sagrado dever patriótico de velar pela correta aplicação da Constituição da República.
Instruímos a nossa Bancada Parlamentar para reclamar junto aos órgãos competentes da ANP no sentido de exigir a retirada do Programa de Governo de que o actual Executivo fez apresentação na Assembleia Nacional Popular por se tratar de um documento plagiado do Programa “Terra Ranka”, propriedade política e intelectual do PAIGC.
Queremos recordar que esse programa se iniciou com o manifesto político de uma candidatura, passou de seguida a ser o suporte principal do PAIGC como seu Programa Eleitoral, para de seguida ser assumido como Programa de Governo do I e II Governos Constitucionais do PAIGC demitidos pelo Senhor Presidente da República, até chegar ao Plano Estratégico e Operacional “Terra Ranka”, facto de conhecimento público e notório.
A própria Constituição da República no seu art. 50º, números 1, 2 e 3 estatui o seguinte: que é livre a criação intelectual, artística e científica que não contrarie a promoção do progresso social. Esta liberdade compreende o direito de invenção, produção e divulgação de obras científicas, literárias ou artística. A lei protegerá o direito do autor. 
Como se vê o direito do autor tem consagração e tutela constitucional por se tratar de um direito fundamental institucional, isto é, pertença do PAIGC. 
O PAIGC é uma organização política dotado de personalidade jurídica devidamente registado e autorizado pelo Supremo Tribunal de Justiça, gozando de um conjunto de direitos e deveres e protegido pelo ordenamento jurídico vigente no país. 
Assim sendo, nenhuma formação política ou indivíduos que se arrogam terem contribuído para a sua criação, não podendo por isso fazerem uso dessa propriedade sem o prévio consentimento do seu titular, neste caso concreto, o PAIGC.
Sendo uma propriedade intelectual e política do PAIGC, vem esta Bancada Parlamentar exigir a retirada desse Programa como suporte de governação para o actual Executivo.
Vamos de imediato interpor um recurso judicial para salvaguardar os nossos direitos intentando uma queixa-crime sobre o plágio abusivo e irresponsável feito pelo actual Governo.
Voltando a conferencia de imprensa conjunta PRS e o Grupo dos 15, queremos relembrar que no rol das asneiras e ignorância evidenciada, está baseada na grave incongruência é o facto destes antipatriotas do chamado Grupo dos 15 se autointitularem-se como sendo do PAIGC. Sendo assim, onde está a maioria invocada pelo Presidente da República e os seus sequazes de que tinham formado uma nova maioria parlamentar. Para o PAIGC e a sua Direção Nacional isto é mais uma grande e grave demonstração de oportunismo, de falta de carácter, de ética e moral, porque a maioria conquista-se nas urnas e não através de tristes e porcas dissidências que só visam fazer servir os seus praticantes e logicamente ao partido a que se juntaram para poderem uma chama maioria fabricada e ilegal à luz das nossas leis, visando somente auto protegerem-se nos seus negócios escuros. 
Só gostaríamos de relembrar ao PRS e ao Grupo dos 15 que uma maioria só é possível nas urnas, devidamente anunciada pela Comissão nacional de Eleições e publicada os seus resultados finais no Boletim Oficial.
Gostaríamos tão-somente de saber, se de facto os integrantes do Grupo dos15 são militantes do PAIGC quem os autorizou a participarem nessa conferência de imprensa promovida pelo PRS? Não será que os Grupo dos 15 já são militantes do PRS? Tudo indica que sim, pois a subalternização dos mesmos perante esta formação política constata-se a cada momento.
Para o PAIGC este grupo não passa de um grupo de oportunistas que maquiavelicamente se serviram do PAIGC para se auto servirem e chegar onde chegaram graças ao nosso Partido e hoje estão aflitos porque, felizmente para o nosso Partido, estão hoje expulsos e fora do PAIGC e deram-se conta do grave e fatal erro que o seu oportunismo e ganância os levaram.
Tanto o PRS como o Grupo dos 15 pelo que afirmaram, reafirmaram perante os guineenses a sua confrangedora ignorância e as suas descabidas acusações, que deverão ser devidas e competentes esclarecidas pela ANP, pela nossa Bancada Parlamentar, cumpre ao nosso Partido, informar ao povo guineense que o PRS e os seus aliados que foram expulsos do PAIGC estão tentando desesperadamente tapar o céu com as mãos, levando a cabo uma verdadeira estratégia assente na contrainformação, numa vã tentativa de confundir os guineenses e a comunidade internacional.
Estranha, por isso, a fúria e o receio manifestado pela bancada do PRS e os 15 Deputados com relação ao cumprimento dos procedimentos regimentais por parte do Presidente da ANP, se são eles que proclamam aos 4 ventos como sendo democratas e legalistas.
Isso só revela o desespero do PRS e dos 15 uma vez que durante toda essa legislatura nenhuma sessão extraordinária chegou de ser convocada sem antes passar pelo crivo dos órgãos interno da ANP. No caso presente não houve nenhum incumprimento das leis em vigor sobre estas matérias.
Só por uma confrangedora e manifesta ignorância do sentido e o alcance das Leis associada a uma elevada dose de má-fé pode colocar em pânico a bancada do PRS e o Grupo dos 15, ao ponto de julgarem que com o Programa do Governo entregue dentro do prazo de 60 dias ainda pode este mesmo Governo incorrer na inconstitucionalidade pela não discussão deste documento neste mesmo prazo.
O Presidente da Assembleia Nacional Popular quer esclarecer que não é, e nunca será, representante do PAIGC e muito menos do PRS ou dos 15, mas sim um Presidente de todos os Deputados, em cumprimento da Constituição e do Regimento, como tem vindo a proceder até data presente.
Como vem sendo hábito, no caso presente, o PRS, vergonha e desastrosamente assistido pelo representante dos 15 e para não variar, volta com as mesmas ameaças de instauração de um processo de destituição contra o Presidente da ANP.
Convém esclarecer que, não obstante as ameaças com este ficcionado processo, o Presidente da ANP não irá sucumbir as intimidações cobardes hoje proferidas contra a sua pessoa pelo PRS e os 15, e muito menos deixará de respeitar escrupulosamente a Constituição e as leis da República, custe isso o que custar as pretensões de grupos de interesses. 
O PAIGC aproveita ainda a ocasião para exortar a bancada do PRS e os 15 a se abstiverem de proferir declarações agressivas e incendiárias, indignos para organizações e indivíduos que almejam governar este país, que mais servem para distrair os incautos e desviar a atenção da sociedade do essencial.
De salientar que, contrariamente aquilo que o PRS e os 15 pretendem fazer acreditar, a única agenda que o Presidente da ANP carrega sobre os seus ombros é a de cumprir e fazer cumprir estritamente a Constituição, o Regimento da ANP e as demais Lei da República, como forma de servir o povo, a unidade nacional e a estabilidade da sociedade guineense, desígnios esses que ao os pilares defendidos pelo PAIGC e a sua Direção su0periormente dirigida pelo seu Presidente, o camarada Eng. Domingos Simões Pereira.
O PAIGC quer deixar muito bem claro a sua posição e de reafirmar perante os guineenses e consequentemente afiançar a comunidade nacional, que já lhe reconhece a militância pela causa da estabilidade, e os nossos parceiros que continuará permanentemente na busca de soluções que ponham cobro a crise política que assola o país, pela defesa do Estado de direito e democracia pluralista na Guiné-Bissau.
Outrossim, reafirmar aos guineenses e a comunidade internacional que por mais que o PRS e os seus parceiros tentem utilizar estratégias assentes na mentira e na desinformação não conseguirão jamais os seus sórdidos e sujos planos de se apoderar do poder, escamotear a realidade e montar um regime de ditadura para poderem, tal como aves de rapina, comer o que não é deles e fazerem deste país um país a mercê da sua voraz gula.
O PAIGC lutará com todas as suas armas, que são, a verdade, a legalidade, o apoio do povo, para contornar e mudar esta triste e inaceitável realidade, cujos contornos se mostram cada vez mais sombrios e com claros sinais já visíveis.
Vemos hoje aviões descendo a noite nas pistas dos nossos aeroportos, vemos hoje casas e bens de camaradas nossos, fieis ao PAIGC e ao povo serem incendiados, vemos hoje dirigentes e camaradas nossos com os seus nomes colocados nas fronteiras interditos de deixarem o país, sem que haja processos e acusações devida e legalmente feitas, vemos já no fundo do túnel sinais perigosos.
O nosso apelo, o apelo do PAIGC é de que o nosso povo, os nossos militantes e os amantes da paz, da estabilidade estejam vigilantes e atentos.
O nosso apelo vaio também para a comunidade internacional, no sentido de estarem atentos às manobras e aos estratagemas visando subverter a ordem democrática por uma ditadura que já se vislumbra claramente.
Não passarão, porque estamos firmes e atentos!
O PAIGC não se deixará intimidar e usará as suas armas da verdade, da legalidade e contará, como sempre, com o claro apoio do povo guineense!
Viva a democracia!
Viva o PAIGC!
Viva a Guiné-Bissau!
Abaixo a ditadura e os ditadores!

PRS e os "15" acusam Presidente da ANP “de estar a bloquear” debate do Programa do Governo

A Bancada Parlamentar do Partido da Renovação Social e grupo dos 15 deputados expulsos do PAIGC denunciaram o que consideram de “manobras dilatórias do Presidente e do 1º Vice-presidente da Assembleia Nacional Popular” para atrasar o agendamento do debate e eventual aprovação do Programa do executivo.

Em conferência de imprensa realizada hoje, o líder da Bancada Parlamentar do PRS, Certório Biote disse que o governo enviou à Mesa da ANP um pedido de agendamento do debate do Programa, desde o dia 26 de junho do ano em curso, cumprindo assim com o estipulado na lei, ou seja, não ultrapassar o prazo de 60 dias para apresentação deste documento. 

Biote afirmou que o Presidente da ANP não se dignou em receber o Primeiro-ministro para puderem marcar uma data para a discussão do Programa do Governo. 

"Mesmo assim, no dia 15 de Julho do ano em curso, o Primeiro-ministro voltou a enviar outra carta ao Presidente da ANP pedindo o agendamento do debate do Programa do Governo e de novo Cipriano Cassamá não o convocou para acertarem uma data para a discussão do Programa¨, explicou. 

O Presidente da Bancada Parlamentar do PRS acrescentou que somente há quatro dias é que Cipriano Cassamá viria a chamar o Primeiro-ministro para discutirem o assunto. Entretanto, lamentou o facto deste atraso poder vir a comprometer a legalidade do executivo. 

A data para a discussão do Programa do Governo no parlamento, segundo Biote, expira à 02 de Agosto, dia em que o governo completa 60 dias em funções. 

Depois de mais de três horas de discussão com o Primeiro-ministro, o Presidente da ANP comprometeu-se a convocar a Conferencia de Líderes no próximo dia 27 do corrente mês e a Comissão Permanente no dia 28¨, explicou. 

Certório Biote afirmou que Cipriano Cassamá está a delatar o tempo para depois encontrar motivos para alegar que o Governo não apresentou o Programa a tempo, conforme a lei. 

Isso significa que, se reuniram a Conferência de Líderes no dia 27 de Julho e no dia 28 a Comissão Permanente está-se a aproximar o dia 02 de Agosto, data em que o executivo completa dois meses, para depois utilizar a sua inteligência para dizer que está fora de prazo e na ilegalidade ¨, disse. 

Aquele dirigente politico afirmou que, desde há um ano para cá, que Cipriano Cassamá está a liderar o parlamento com base nas orientações do Presidente do PAIGC, o que diz ser grave e inadmissível num Estado e Direito democrático. 

Perguntado sobre qual será a saída para o alegado “bloqueio parlamentar”, Certório Biote sustentou que a Constituição da República da Guiné-Bissau prevé no seu artigo 83, que o deputado que não estiver a cumprir o seu dever é destituído. 

“Significa que não vamos continuar a tolerar o Presidente da ANP nas distorções da verdade, e criação de crises no país¨, disse.
ANG